Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content

Ribeirão Pires terá capacitação de jovens com síndrome de down

Plantio simbólico de mudas marca início de produção de molho 100% produzido na Estância pelos ‘Pimentinhas do Brasil’

Em alusão ao Dia Internacional da Síndrome de Down, comemorado em 21 de março, Ribeirão Pires contou com o 5° Encontro Huracán para crianças e jovens com Síndrome de Down e suas famílias. Realizado em parceria com a Prefeitura de Ribeirão Pires, por meio da Secretaria de Assistência, Participação e Inclusão Social, e patrocínios da franquia Sodiê Doces, Padaria Maristela, Big Real e Pipocas Odília, o evento foi realizado, na tarde desta quinta-feira, no restaurante mexicano Hurácan Tex Mex, no Centro da cidade.

Idealizado pela empresária Fabiana Gonçalves, mãe do pequeno Lorenzo, 9 anos, o encontro Hurácan, tem o objetivo de promover a conscientização e a necessidade de acolhimento das famílias, principalmente das mães que, na maioria das vezes, são as que acompanham de perto o dia a dia dos filhos com Síndrome de Down.

Neste ano, a iniciativa ganhou mais uma motivação: o pontapé inicial da ONG em Ribeirão Pires, na divisa dos bairros Santa Luzia e Barro Branco, que capacitará profissionalmente jovens com síndrome de down através do projeto Pimentinhas do Brasil. “É preciso criar oportunidades para que eles entrem no mercado de trabalho com capacitação e alguma experiência. Através do projeto, eles aprenderão sobre todo o processo, do plantio à fabricação”, comentou Fabiana, idealizadora do projeto.

Vinte e uma mudas de pimenta foram plantadas – simbolicamente – em vasos pelas crianças durante o evento. “Elas serão replantadas na sede da ONG e daqui a cinco meses faremos a colheita para o início da produção. Pimentinhas do Brasil trará molhos 100% produzidos em Ribeirão Pires”, completou.

A atividade contou com a presença da presidente do Fundo Social de Solidariedade, Lígia Volpi, e da subsecretária de Assistência, Participação e Inclusão Social, Michele Mariz Nogueira.

Maria Natalia Soares de Oliveira e Sueli dos Santos Silva, mães de Sophia Soares Silva, 19, e Kauê Augusto dos Santos Silva, 23, respectivamente, reforçaram que o mercado de trabalho não está aberto para quem tem síndrome de down. “Quando são crianças, há muitos incentivos e atividades. Eles crescem e o mercado não absorve. Há espaço para o deficiente físico, auditivo, mas não ‘encaixam’ nossos filhos”, completou Maria.

Na ocasião, além de pintura facial e escultura em bexigas, as crianças tiveram contato com a capoeira, em parceria com o Mestre Pelé, coordenador do projeto Capoeirando, da Secretaria de Assistência, Participação e Inclusão Social; e com animais resgatados pela equipe de Educação Ambiental do Departamento de Proteção à Fauna.

Equipe ambiental participa do 5º Encontro Hurácan de Conscientização sobre a Síndrome de Down Foto: Gabriel Mazzo/PMETRP

Skip to content