RP aguarda liberação do Ministério para abrir licitação para obras do viaduto


Criado em 10/02/2015

Viaduto, o próximo estágio é licitação e execução da obra

A Prefeitura de Ribeirão Pires, através da Secretaria de Obras, acompanha  minunciosamente o processo de aprovação de projetos e orçamentos, junto ao Agente Financeiro Caixa Econômica Federal e  Ministério das Cidades sobre a construção do Viaduto.

De acordo com o secretário, José Carlos Agnello, o processo foi dividido em dois estágios. O primeiro, já concluído, consiste na elaboração de Termo de Referência para Contratação de  Projeto Executivo, levantamentos e  estudos geológicos, que aguarda somente a liberação do Ministério das Cidades. A segunda etapa compreende de fato a execução da obra, que será executada após a conclusão da etapa 1. Toda documentação exigida já foi encaminhada através da Caixa Econômica Federal e não existe nenhuma pendência nem reprovação no projeto.

A obra beneficiará milhares de pessoas que trafegam pelas regiões e é uma das maiores intervenções em mobilidade urbana já realizada na Estância. O recurso de R$ 58,45 milhões é proveniente do PAC Mobilidade e virá do Orçamento Geral da União (OGU). O viaduto visa a ligação das avenidas Santo André e Humberto de Campos com as avenidas Capitão José Gallo e Prefeito Valdírio Prisco, sobrepondo a linha da CPTM.

A expectativa é que seja economizado 1,4 quilômetro por viagem. Para o transporte público, o viaduto permitirá a economia de 481,6 quilômetros em viagens diárias, o que reduzirá o tempo de cada viagem em torno de 25 minutos nos horários de pico.

Atualmente a cidade é dividida pela ferrovia e conta com apenas duas travessias nos extremos da área central: ponte da Vila Ema, na altura da entrada do bairro Vila Gomes, e outra, que passa por baixo da linha férrea, localizada na Avenida Kaethe Richers, sentido Rio Grande da Serra.

O recurso federal será utilizado na construção do viaduto e serviços de adequação do sistema viário, adequação e padronização de passeios com acessibilidade, mobiliário, sinalização e iluminação.

 

O Projeto

No projeto básico para construção do viaduto foram obedecidas as alturas mínimas para veículos de carga na travessia da Avenida Capitão José Gallo e para locomotivas para transposição da via férrea. O sistema de drenagem de águas pluviais consistirá basicamente na implantação de bocas-de-lobo devido à pequena intervenção nas vias do entorno. A largura total do viaduto será de 11,50 metros, acomodando duas faixas de tráfego e uma calçada de pedestres. A sinalização horizontal será constituída, basicamente, por linhas de divisão de fluxos de mesmo sentido e de sentidos opostos zebrados. Serão implantadas placas indicativas para indicação da direção a ser tomada e placas de sinalização, principalmente para indicar a velocidade e os sentidos obrigatórios e toda adequação das Avenidas Humberto de Campos e Prefeito Valdírio Prisco.