Projeto “Reconstruindo Laços – Apadrinhamento Afetivo”


Criado em 18/11/2014

Prefeitura busca promover convívio familiar para crianças e adolescentes em situação de acolhimento institucional

Pensando no valor do afeto na formação do caráter de um indivíduo, a Prefeitura da Estância Turística de Ribeirão Pires, por meio da Secretaria de Assistência e Desenvolvimento Social (SADS), criou o projeto Apadrinhamento Afetivo que acontece no abrigo municipal “Reconstruindo Laços”. A proposta é promover convívio familiar para crianças e adolescentes em situação de acolhimento institucional.

Baseado nos apontamentos da médica e psicanalista Françoise Dolto, a SADS desenvolveu o projeto pensando na importância dos institucionalizados – crianças e adolescentes – terem uma família de referência para manter relações pessoais, passando finais de semana ou férias com os padrinhos para gerar desenvolvimento psicossocial saudável.

“O estreitamento dos laços de amizade, carinho e amor dentro de uma relação de confiança faz com que o Apadrinhamento Afetivo auxilie a dar novo significado para essas crianças e adolescentes papéis sociais como pai e mãe, referências claras e concretas de identificação, importantíssimas para a estrutura da personalidade e construção da auto-estima positiva”, explicou a secretária de Assistência e Desenvolvimento Social, Sonia Garcia.

Para realização efetiva do programa, há apoio institucional e parceria da Vara da Infância e Juventude da Comarca de Ribeirão Pires, do Conselho Tutelar e do CMDCA, integrando a Rede de Atenção Social Básica e Especial que tem papel fundamental na execução, sendo instrumentos componentes do Sistema de Proteção e Garantia dos Direitos da Criança e do Adolescente.

O que é ser Padrinho ou Madrinha?

O Padrinho ou Madrinha Afetivo é alguém da sociedade civil que queira auxiliar e acompanhar a vida de um jovem acolhido que tem possibilidades remotas ou inexistentes de adoção. Não será alguém que vai adotar a criança ou adolescentes, mas essencialmente um bom amigo (a) que irá prestar assistência moral, física, educacional e afetiva ao afilhado. O Programa não implica em vínculo jurídico, inclusive sendo o processo de apadrinhamento passível de interrupção sem prévio aviso, apenas com a comunicação imediata do abrigo municipal.

Os candidatos a Padrinho ou Madrinha Afetivo e o núcleo familiar dessas pessoas passam por entrevistas individuais e preliminares, nas quais os profissionais da área avaliam as condições psicológicas e emocionais, observando critérios de responsabilidade, afetividade, maturidade, compromisso e disponibilidade. Também passam por avaliação de documentação necessária e por oficinas de preparação.

A interação entre padrinho e afilhado não tem forma estabelecida. Atividades como passeios a parques, museus, cinemas, teatros e jogos são estimulados, bem como participação em ocasiões como festas e dias comemorativos. “O importante é proporcionar cultura, educação e aprimoramento a vida social, sempre respeitando as normas estabelecidas pelo Projeto e pelo Abrigo”, afirmou Sonia Garcia.

Para conhecer mais sobre o trabalho do Abrigo Municipal “Reconstruindo Laços” e saber como participar do projeto de Apadrinhamento Afetivo, o telefone de contato é (11) 4828-5238. A técnica responsável é a Diretora de Abrigo Municipal Maria Adélia Reis.