Prefeitura assina convênio para construção de viaduto


Criado em 14/11/2014

Chefe do Executivo assinou documentação junto à Caixa Econômica Federal que garante os R$ 58 milhões para obras que ligarão Centro ao Centro Alto

Na noite desta quinta-feira, dia 13, o prefeito de Ribeirão Pires, Saulo Benevides, assinou convênio com a Caixa Econômica Federal para construção do viaduto que ligará a região central e o Centro com o Centro Alto da cidade. A obra beneficiará milhares de pessoas que trafegam pelas regiões e é uma das maiores intervenções em mobilidade urbana já realizada na Estância.

O recurso de R$ 58,45 milhões é proveniente do PAC Mobilidade e virá do Orçamento Geral da União (OGU).  O projeto foi apresentado por meio do Consórcio Intermunicipal Grande ABC. O viaduto vai conectar as avenidas Santo André e Humberto de Campos com as avenidas Capitão José Gallo e Prefeito Valdírio Prisco, sobrepondo a linha da CPTM.

“Hoje é um dia especial para Ribeirão Pires. Apesar de todas as dificuldades enfrentadas desde que assumimos a Prefeitura, definimos duas estratégias para promover o crescimento da cidade: estimular o desenvolvimento econômico e buscar recursos junto ao Estado e União para promover grandes obras, esperadas pela população. Garantimos o recurso e estamos um passo mais perto da construção do viaduto, tão sonhado pelos moradores por tantos anos”, declarou o prefeito da Estância, Saulo Benevides.

A expectativa é que seja economizado 1,4 quilômetro por viagem. Para o transporte público, o viaduto permitirá a economia de 481,6 quilômetros em viagens diárias, o que reduzirá o tempo de cada viagem em torno de 25 minutos nos horários de pico.

Atualmente a cidade é dividida pela ferrovia e conta com apenas duas travessias nos extremos da área central: ponte da Vila Ema, na altura da entrada do bairro Vila Gomes, e outra, que passa por baixo da linha férrea, localizada na Avenida Kaethe Richers, sentido Rio Grande da Serra.

O recurso federal de R$ 58 milhões será utilizado na construção do viaduto e serviços de adequação do sistema viário, adequação e padronização de passeios com acessibilidade, mobiliário, sinalização e iluminação.

O gerente regional da Caixa Econômica Federal, Gilnei Perrone, falou sobre o convênio. “A Caixa é um banco 100% público e importante instrumento de realizações para o Governo Federal, que colocou os olhos sobre Ribeirão Pires. O viaduto é a cara da cidade e vai contemplar muitas pessoas. O prefeito (Saulo) lutou para trazer esta verba. Fica aqui nosso compromisso com ele e a cidade para auxiliar o Município nesse e em outros projetos”, afirmou.

Após a assinatura do convênio com a Caixa Econômica Federal, o prefeito da Estância falou sobre projetos importantes para o município que contam com o apoio do Governo Federal. Pelo programa Minha Casa Minha Vida, serão construídas 560 unidades habitacionais no Jardim Serrano. Ainda no bairro, o Centro de Iniciação ao Esporte beneficiará centenas de jovens em cursos esportivos gratuitos. As intervenções no local onde será construído o equipamento já começaram.

Na área do Turismo, a Prefeitura destinará R$ 20 milhões de recursos do Estado e União para a construção do Teleférico, que impulsionará o setor, estimulando a economia local.

O Chefe do Executivo ribeirãopirense relembrou, ainda, sobre a implantação de sistema de videomonitoramento 24h, que terá, inicialmente, 36 câmeras, além da central de monitoramento gerenciados pela Secretaria de Segurança Pública do Município. Serão investidos R$ 1,5 milhão do Tesouro Municipal.

Sobre o projeto:

No projeto básico para construção do viaduto foram obedecidas as alturas mínimas para veículos de carga na travessia da Avenida Capitão José Gallo e para locomotivas para transposição da via férrea. O sistema de drenagem de águas pluviais consistirá basicamente na implantação de bocas-de-lobo devido à pequena intervenção nas vias do entorno. A largura total do viaduto será de 11,50 metros, acomodando duas faixas de tráfego e uma calçada de pedestres. A sinalização horizontal será constituída, basicamente, por linhas de divisão de fluxos de mesmo sentido e de sentidos opostos zebrados. Serão implantadas placas indicativas para indicação da direção a ser tomada e placas de sinalização, principalmente para indicar a velocidade e os sentidos obrigatórios.