Ribeirão Pires programa ações de conscientização para o Maio Amarelo


Criado em 28/04/2014

Prefeitura promove Campanha nacional que chama atenção para números de mortes por acidentes de trânsito

Ribeirão Pires se prepara para participar do Movimento Maio Amarelo, campanha de âmbito nacional que tem como objetivo chamar a atenção da sociedade para o alto índice de mortes e feridos no trânsito. Por meio da Secretaria de Transportes e Trânsito da Estância, diversas ações acontecerão durante todo o mês de Maio, intensificando a conscientização dos moradores, tanto condutores quanto pedestres.

Acompanhando outros movimentos, como o “Outubro Rosa” e “Novembro Azul”, os quais, respectivamente, tratam dos temas câncer de mama e próstata, a campanha Maio Amarelo promove atividades voltadas ao debate das responsabilidades e avaliação de riscos sobre o comportamento de cada cidadão, dentro dos deslocamentos diários. Serão intensificadas as ações de educação no trânsito, com blitz educativa pela cidade e laços amarelos em monumentos importantes, em pontos turísticos e que chamam a atenção da população.


“A escolha propositada do laço como símbolo da campanha vai ao encontro da necessidade social em tratar os acidentes de trânsito como uma verdadeira epidemia e, consequentemente, acionar cada cidadão a adotar as cautelas que podem poupá-lo de ser uma vítima”, explicou o Secretário de Transportes e Trânsito, Rubens de Almeida Sousa.

Dados sobre acidentes de trânsito

De acordo com o Relatório Global de Segurança no Trânsito, publicado em 2013 pela Organização Mundial da Saúde (OMS), 88 países membros conseguiram reduzir o número de vítimas fatais. Por outro lado, esse número cresceu em 87 países. A chave para a redução da mortalidade, segundo o relatório, é garantir que os estados-membros adotem leis que cubram os cinco principais fatores de risco: dirigir sob o efeito de álcool, excesso de velocidade, não uso do capacete, cinto de segurança e cadeirinhas. Apenas 28 países, incluindo o Brasil, possuem leis abrangentes nesses cinco fatores.

O documento também aponta que na maioria dos países – mesmo alguns daqueles com melhores resultados – a aplicação das leis é inadequada. Alguns grupos foram identificados como aqueles com maior risco de morrer em acidentes de trânsito: 59% das vítimas fatais estão na faixa etária dos 15 aos 44 anos, e 77% são homens.