Ribeirão Pires inicia campanha de vacinação contra a raiva nesta segunda feira


Criado em 04/03/2016

A Prefeitura da Estância Turística de Ribeirão Pires através da Secretaria de Saúde e Higiene por meio do Centro de Controle de Zoonoses promoverá a partir da próxima segunda-feira (7) até o dia 24 de março, a campanha de vacinação contra a raiva de 2016.

Fatal para os animais e para os seres humanos, a raiva é a doença que mais preocupa a saúde pública. A campanha de vacinação realizada pela Prefeitura sobre coordenação do CCZ tem como meta vacinar 80% da população canina e felina da cidade. A repetição anual deste procedimento resulta num percentual muito elevado de animais vacinados, o que evita a transmissão da raiva para os humanos.

“A consequência da falta de vacinação em massa é o grande risco de expansão dos casos de raiva animal, e, portanto, de raiva humana. Por esta razão, a importância de vacinar os cães e gatos na campanha”, afirma a veterinária responsável pelo Centro de Zoonoses, Eliana Maciel.

A vacinação acontecerá de segunda à sexta-feira das 9h às 11h e das 13h às 16h e aos sábados e domingos, das 9h às 13h no próprio Centro de Zoonoses na Rua Catarina Rios Giachello, 185, Jardim Boa Sorte. Para outras informações, o Centro de Zoonoses disponibiliza telefone para contato: 4824-3748.

Cuidados necessários com animais de estimação:

A contaminação com o vírus da raiva acontece pelo contato com a saliva do animal infectado mesmo que ainda não apareçam sintomas. Para evitar a propagação da doença há que vacinar os animais todos os anos, a partir dos três meses de idade, inclusive as fêmeas prenhas ou no cio. A imunização dos cães e gatos contra a raiva é de extrema importância.

Vale lembrar a importância de não permitir o livre acesso dos seus animais de estimação com animais de rua ao sair para passear, mantê-los sob controle com coleira e guia.

Em caso de mordida:

Lave o ferimento provocado pelo animal com água e sabão e procure imediatamente um serviço médico. Identifique o animal agressor para que possa ser observado por um período de 10 dias. Caso o animal não tenha dono ou morra no período de observação, procure imediatamente orientação no CCZ.